17 julho 2009

Irmão mata irmão: Briga de Família com desfecho trágico

A pacata comunidade de Muanense, localizada na margem esquerda do rio Madeira, a aproximadamente uma hora e meia de voadeira “baixando” o rio a partir de Humaitá, com apenas 86 famílias (cerca de 350 pessoas), passou por momentos de terror que dificilmente sairão da lembrança daqueles que estavam na comunidade nos últimos dias.

A redação de “O Curumim” conversou com Raimundo Sandro Cruz da Silva, que é o Presidente da Comunidade e também agente de Saúde municipal.

Raimundo contou que tudo começou na sexta-feira (10) quando Antonio Edmar Castro Souza, de 23 anos, começou uma discussão no garimpo onde trabalhava com um colega de trabalho. Antônio agrediu o garimpeiro e a partir deste momento, bastante transtornado, passou a ingerir bebida alcoólica em grandes quantidades e fazer ameaças a quem aparecesse em sua frente.

Edmar foi para sua casa, agrediu fisicamente sua companheira, Fran
cimar Gomes Azevedo, de 20 anos, inclusive, fazendo uma perfuração em suas nádegas e riscando o seu corpo com uma faca.

Edmar ameaçou a companheira e a própria mãe de morte, caso elas deixassem a casa ou permitissem a entrada de alguém para prestar socorro a Francimar, que estava bastante machucada pelas agressões sofridas.

As duas permaneceram em cárcere privado durante todo o sábado e domingo (11 e 12). Na segunda-feira (13), Edmar foi para o garimpo, mas manteve a ameaça feita anteriormente. Assim que saiu, o Presidente da comunidade, acompanhado pelo pai e mãe de Francimar foram até a casa para socorrer a jovem senhora. “Não fomos prestar socorro antes, porque todos estavam com medo. Ele (Edmar) estava armado e ameaçando a todos que tentassem ajudar. A comuni
dade estava aterrorizada com as atitudes dele; ninguém conseguiu dormir nestes dias” revelou o Presidente Raimundo.

Francimar foi trazida para o Hospital em Humaitá, onde permanece internada, recuperando dos golpes que sofreu e está bastante abalada psicologicamente.

Ao descobrir que sua esposa não estava mais na comunidade, Edmar pas
sou a procurar sua mãe com o objetivo de cumprir sua ameaça. Ao descobrir que a mesma estava na casa de seu irmão, pegou sua arma, uma espingarda calibre 20, onze cartuchos e partiu para a casa do irmão.

Por volta da 4 horas da madrugada de terça-feira (14) Edmar chegou a casa e começou a tentar arrombar a porta, dizendo que iria matar o irmão. A mãe de Edmar conseguiu fugir e se escondeu no mato. Quando finalmente já estava conseguindo abrir a porta, Antônio Paulo Castro de Souza, de 32 anos, irmão de Edmar, realizou um disparo com uma espingarda, em direção de Edmar, atingindo-o na região abdominal, levando-o de imediato a óbito.

A Polícia Militar foi ao local, mas, não conseguiu localizar Antônio. Irmãos da vítima e do acusado vieram de Porto Velho e prometeram que Antônio se apresentaria para a Polícia nesta quarta-feira (15) e que traria consigo a arma utilizada no crime.

Até o fechamento desta matéria, Antônio ainda não havia se apresentado.

Edmar foi enterrado na quarta-feira, lá mesmo na comunidade de Muanense.

Fonte: Jornal O Curumim
Foto: PM de Humaitá-Am