28 agosto 2009

Copa de 2014 em Manaus-Am

Metade das cidades sede da Copa de 2014, mudam seus projetos, seis das doze cidades que receberão o Mundial alteraram seus projetos desde a escolha da Fifa. Belo Horizonte, Cuiabá, Salvador, Brasília, Manaus e São Paulo foram as cidades que não mantiveram seus planos originais.

Cuiabá é a cidade que mais patina em seus planos. Seu projeto anterior custava R$ 350 milhões, o de agora custa R$ 430 milhões; as arquibancadas tiveram sua capacidade reduzida (antes teria 48.000, agora terá 42.500) e ainda contratou, sem licitação, um escritório de arquitetura e uma consultoria internacional, gastando, respectivamente, R$ 14,2 e R$ 4,2 milhões.

Brasília, São Paulo e Belo Horizonte, que brigam para receber a partida de abertura, também já realizaram modificações. A capital federal acrescentou R$ 178 milhões à modernização do Mané Garrincha (antes custaria R$ 522 milhões e agora custará R$ 700 milhões). O projeto do Morumbi está sendo refeito e será apresentado em setembro; a Fifa não gostou da área de imprensa, do espaço para convidados e da cobertura. Belo Horizonte sequer orçou o custo da reforma do Mineirão.

Em Manaus-Am, o governo arcará com os custos de reforma do estádio, porém conseguiu atenuá-los em relação ao projeto original, que custaria R$ 580 milhões, agora será preciso investir “apenas” R$ 400 milhões. Já em Salvador, a Fifa vetou 5.000 lugares na Fonte Nova.

Estádio: Vivaldão - 43 mil lugares (48 mil para a Copa)

A Favor: O projeto de Manaus se apoia em uma “candidatura sustentável”, ou seja, as obras e reformas não devem ter um forte impacto ambiental. Além disso, a cidade atrai bastantes turistas, o que pode ajudar a não deixar a infraestrutura da Copa ociosa.

Contra: A mobilidade urbana na capital amazonense deixa bastante a desejar. É comum haver engarrafamentos no centro da cidade. O aeroporto precisa ser reformado, pois não tem capacidade para atender a demanda que um evento como a Copa Mundo proporcionaria. Também precisa incrementar sua rede hoteleira para receber um evento desta importância.

Projetos:

O foco da cidade será ampliar sua rede hoteleira, incrementar suas opções gastronômicas e, sobretudo, modernizar os sistemas de mobilidade urbana.

O aeroporto também passará por reformas. A estação de passageiros passará 43 mil m² para 80 mil m². O valor desta obra orbita em torno de R$ 192 milhões. A ampliação do pátio e das pistas do aeroporto devem custar R$ 600 milhões, e devem estar prontos em 2013.

O atual Vivaldão seria demolido e em seu lugar seria erguida uma arena multiuso. O investimento seria em torno de R$600 milhões. O estádio, contudo, ficaria ocioso depois da Copa, uma vez que o futebol na região é muito pouco representativo (o último clube a disputar a Série A foi o Nacional, em 1986, portanto há 23 anos).

O governo planeja investir para colocar um time na Série A ou Série B do Brasileiro, aumentando assim a utilização e a atratividade das partidas. Porém, para não depender apenas do futebol, o governo tenciona usar o Vivaldão em outros eventos esportivos, megashows internacionais e até cultos religiosos.

Manaus apresentará seu projeto em novembro

Entre 17 e 19 de novembro do corrente, período no qual ocorre a Expoestádio, a cidade do Norte mostrará seu projeto e seus gastos para seu estádio na Copa de 2014.

O Comitê Organizador de Manaus, confirmou a participação da cidade na Expoestádio 2009, congresso que reunirá os segmentos de projeto, construção, engenharia, mobiliário, gerenciamento e operação de estádios, que acontece de 17 a 19 de novembro no ExpoCenter Norte, em São Paulo.

No evento, o Vivaldo Lima será um dos ocupantes da “Praça dos Estádios”, um espaço especialmente criado na feira para reunir os estádios de todo o País que estão na lista de jogos da Copa do Brasil de 2014.

Tal como os demais participantes da “Praça”, os responsáveis pela administração do Vivaldo Lima levarão para o local uma série de apresentações sobre as soluções de engenharia e gestão que o estádio irá utilizar na sua preparação para a Copa 2014. “Um dos nossos destaques no evento será o detalhamento sobre o projeto e as obras da nova arena do Vivaldo Lima, que envolve um investimento inicial em torno de R$ 580 milhões”, afirma Ariovaldo Malizia, administrador do Estádio.

O Estádio Vivaldo lima, que atualmente, comporta um público de 32.000 torcedores, após a construção da nova Arena, terá capacidade de atender até 48.000 pessoas, sendo assim distribuídos: 43.000 expectadores e 5.000 destinados à área vip e a imprensa. Segundo Ariovaldo, esse número é suficiente para sediar até as quartas-de-final do torneio.

Fonte: Lance ! 28/08/09 e Cidade de Manaus

Texto Traduzido para o Inglês

Cup of 2014 in Manaus-Am

Half of the cities headquarters of the Cup of 2014, changes their projects, six of the twelve cities that will receive the World championship altered their projects from the choice of Fifa. Belo Horizonte, Cuiabá, Salvador, Brasília, Manaus and São Paulo were the cities that didn't maintain their original plans.

Cuiabá is the city that more he/she skates in their plans. His/her previous project cost R$ 350 million, the one now cost R$ 430 million; the bleachers had his/her reduced capacity (before he/she would have 48.000, now he/she will have 42.500) and it still negotiated, without auction, an architecture office and an international consultancy, spending, respectively, R$ 14,2 and R$ 4,2 million.

Brasília, São Paulo and Belo Horizonte, that fight to receive the opening departure, they also already accomplished modifications. The federal capital increased R$ 178 million to Mané Garrincha's modernization (before it would cost R$ 522 million and now it will cost R$ 700 million). THE project of Morumbi is being redone and it will be presented in September; Fifa didn't like the press area, of the space for guests and of the covering. Belo Horizonte at least estimated the cost of the reform of Mineirão.

In Manaus-Am, the government will arch with the costs of reform of the stadium, however it got to lessen them in relation to the original project, that it would cost R$ 580 million, now it will be necessary to invest “just” R$ 400 million. Already in Salvador, Fifa vetoed 5.000 places in the New Source.

Stadium: Vivaldão - 43 thousand places (48 thousand for the Cup)

In favor: The project of Manaus leans on in a “maintainable candidacy”, in other words, the works and reforms should not have a fort environmental impact. Besides, the city attracts plenty of tourists, what can help to not to leave the infrastructure of the idle Cup.

Against: The urban mobility in the capital amazonense leaves plenty to want. It is common there to be jams downtown. The airport needs to be reformed, therefore he/she doesn't have capacity to assist the demand that an event as the Copa Mundo would provide. He/she also needs to increase his/her hotel net to receive an event of this importance.

Projects:

The focus of the city will be to enlarge his/her hotel net, to increase their gastronomical options and, above all, to modernize the systems of urban mobility.

The airport will also go by reforms. The passengers' station will pass 43 thousand m² for 80 thousand m². The value of this work around R$ 192 million. The enlargement of the patio and of the tracks of the airport R$ 600 million should cost, and they should be ready in 2013.

Current Vivaldão would be demolished and in his/her place it would be raised an arena multiuso. The investment would be around R$600 million. The stadium, however, it would be idle after the Cup, once the soccer in the area is very little representative (the last club to dispute the Series was HER the National, in 1986, therefore 23 years ago).

The government plans to invest to put a team in the Series THE or Série B of the Brazilian, increasing like this the use and the attractiveness of the departures. However, for not depending just of the soccer, the government intends to use Vivaldão in other sporting events, international megashows and even religious cults.
Manaus will present project in November

Between 17 and November 19 of the current, period in which happens Expoestádio, the city of the North will show his/her project and their expenses to his/her stadium in the Cup of 2014.

The Organizing Committee of Manaus, confirmed the participation of the city in Expoestádio 2009, Congress that will gather the project segments, construction, engineering, furniture, administration and operation of stadiums, that it happens from 17 to November 19 in ExpoCenter Norte, in São Paulo.

In the event, Vivaldo Lima will be one of the occupants of the “Square of the Stadiums”, a space especially servant in the fair to gather the stadiums of the whole Country that are in the list of games of the Cup of Brazil 2014.

Just as the other participants of the “Square”, the responsible for Vivaldo Lima's administration will take to the place a series of presentations on the engineering solutions and administration that the stadium will use in his/her preparation for the Cup 2014. “One of our prominences in the event will be the detalhamento on the project and the works of Vivaldo Lima's new arena, that it involves an initial investment around R$ 580 million”, he/she affirms Ariovaldo Malizia, administrator of the Stadium.

The Estádio Vivaldo files, that now, floodgate a public of 32.000 fans, after the construction of the new Arena, will have capacity to assist up to 48.000 people, being distributed like this: 43.000 expectants and 5.000 destined to the area vip and the press. According to Ariovaldo, that number is enough to base until the quarter finals of the tournament.

Source: Throw! 28/08/09 and City of Manaus