12 dezembro 2009

Estelionatário é preso em Humaitá-Am


O falsário que atende pelo nome de Vanderlei da Silva Crespo, que chegou à cidade de Humaitá-Am, com o intuito de tirar proveito da hospitalidade e da boa fé dos cidadãos de bem dessa terra. Se passando por um promotor de eventos, saiu pelas escolas e universidade atrás de aplicar mais um golpe. Uma de suas vítimas foi Josias Meireles, ao qual propôs uma parceria para a realização de um bingo que envolveria a venda de 6 mil cartelas e se realizaria no dia 6 de Dezembro no Clube Municipal.

Josias, diante da popularidade e credibilidade que possui junto ao povo humaitaense, por ter tido seriedade nas vezes que esteve envolvido em empreitadas dessa natureza e, por acreditar que com esse respaldo poderia vender a cota de cartelas proposta, aceitou a parceria. De acordo com a vítima, antes do bingo que estava divulgando, Vanderlei promoveu um sorteio de uma moto no clube da Associação Atlética Banco do Brasil (AABB), onde o dinheiro mal deu para pagar o prêmio. “[...] ele é um aventureiro. Já vinha fugindo de um golpe que não deu certo no KM-180” afirma Josias.

Na data em que iria acontecer o bingo, por motivo de chuva forte e intensa, o evento foi adiado. A partir daí, o acusado fugia toda vez que era chamado para prestar contas. Na última conversa antes de ser denunciado, Vanderlei, pressionado a prestar contas de cerca de 1.500 cartelas com a vítima citada, sugeriu realizar o bingo em outra data. Josias, já apreensivo com a conduta do acusado, não aceitou e exigiu a expedição de um documento que o isentaria do compromisso. Diante da resposta negativa de Vanderlei, ligou para a Polícia e denunciou.

Chegando na 8ª Delegacia Regional de Polícia Civil (8ª DRPC), a suspeita se confirmou, além, de chegarem outras pessoas lesadas por Vanderlei, a polícia descobriu que se tratava de um estelionatário, pois, haviam 4 mandados de prisão contra Vanderlei Crespo espalhados por todo o Brasil. Josias Meireles, se diz lesado no mínimo em 2,5 mil reais, mas, ressentido, fala que a maior lesão que sofreu não foi em seu bolso e sim em sua moral e credibilidade. Diante deste fato, pede na medida do possível ao jornal “ O curumim” a oportunidade de veicular um nota de esclarecimento.
 
Fonte: Jornal O Curumim (Romilson Azevedo)
Foto: PM de Humaitá-Am