07 dezembro 2009

Os 10 Mandamentos do policial

por Danillo Ferreira

1 – Não se omitirás: O policial não deixará de fazer o que lhe prescreve a lei. Mesmo que seja um incômodo ao seu descanso, servirá a sociedade prevendo ou reprimindo desmandos que representem desordem e incômodo aos cidadãos;

2 – Não compensarás tuas frustrações: O poder confiado pela sociedade ao policial não deve servir para preencher lacunas em sua personalidade. As incompetências pessoais devem ser solucionadas na vida pessoal de cada um;

3 – Não serás arbitrário: Discricionariedade não significa arbitrariedade. Ser discricionário é agir conforme as necessidades através de um juízo embasado e racional. Ser arbitrário é deixar de lado tal juízo, é não regrar suas ações;

4 – Não serás subserviente: Obedecer a ordens não significa transformar-se num servo ou vassalo de seus superiores. Apesar de grande parte das pessoas verem os policiais (principalmente os militares) como seres inertes e passivos, sabemos que esta não é uma regra;

5 – Não serás “chefe”: Ser funcionalmente superior não lhe torna alguém intocável ou imune a erros. A administração contemporânea não admite mais o “chefe”, a figura do “patrão” que faz do “empregado” o que bem entende. Estar num patamar hierárquico acima é ter maior poder de agregar valores e conhecimento de subordinados para reverter em ganhos para a sociedade;

6 – Serás formador de si: Não há desculpas para justificar a inércia intelectual e técnica dum policial. Cursos, leituras e discussões são recursos acessíveis a todos atualmente, e, não obstante sirvam de evolução para a instituição policial, é também um crescimento do indivíduo que se especializa;

7 – Serás questionador: O policial deve ter postura inquieta perante a realidade. A aceitação da conjuntura estabelecida sem análise crítica já não é admissível na grande maioria das organizações, nas polícias não pode ser diferente;

8 – Serás proativo: Esperar ordens para agir é fazer apologia ao “chefe” que se entende detentor de todos os poderes sobre seus subordinados. Agir por iniciativa própria é característica do policial compromissado com sua missão social;

9 – Serás prudente: “Pensar antes de agir” é uma velha máxima que não pode deixar de ser considerada na ação policial. Se o indivíduo não reflete sobre seus atos e as conseqüências deles, não servirá para servir à sociedade – pois o servidor não raro pensa por várias pessoas ao mesmo tempo. Estar entendido da conjuntura do seu trabalho ajuda a agir moderadamente;

10 – Servirás à sociedade: Quem manda nas polícias e nos policiais são as demandas da sociedade. Vaidades pessoais e outras necessidades particulares devem ser descartadas quando na prestação do serviço policial. Na hora de decidir o que fazer, o policial escolherá o que mais está de acordo com o bem-estar social.

Fonte: Blog Abordagem Policial
Foto: Blog Polícia Presente