29 dezembro 2010

Bolsa Formação - Ciclo 21 - Cursos EAD SENASP - PRONASCI

Atenção caros companheiros de profissão! Está chegando à data para inscrição do Ciclo 21 dos cursos do Rede de Ensino a Distância / SENASP. Vale salientar que com a assinatura de um novo decreto, o direito a receber a Bolsa Formação no valor de R$ 443,00 para os profissionais de Segurança Pública que recebem salário de até R$ 1.700,00.

Serão 200.000 mil vagas disponíveis para inscrições, em duas etapas, mas como o número de interessados aumentará, acreditamos que as inscrições estarão encerradas em questão de horas, e começarão às 00h00min (Horário de Brasília-DF) do dia 27/01/2011 até 31/01/2011, só poderão se inscrever quem não foi evadido do ciclo anterior.


As inscrições para o ciclo 20 serão:

27/01/2011 até 29/01/2011 - Primeira Etapa em apenas 1 curso, e nos dias
30/01/2011 até 31/01/2011 - Segunda Etapa caso o limite de vagas não seja atingido 
com o limite de 200.000 mil inscrições.
Você pode buscar mais informações nos links abaixo:

AVISO IMPORTANTE: Serão disponibilizados cerca de 54 cursos a distância, via internet, lembrando que quem já concluiu um dos cursos poderá inscrever-se em dois neste próximo ciclo, seguindo as orientações do ciclo, até atingirem as 200.000 mil inscrições. 

Há e não se esqueçam que depois de concluir um dos cursos oferecidos pela SENASP, você terá que cadastrar-se no ambiente SisFor, para perceber a Bolsa no valor de R$ 443,00 reais e concluído este processo Cadastre seu Requerimento para ser aprovado/homologado, feito isto é só esperar os gestores aprovarem e pronto, seu cartão chegará em sua residência e basta desbloqueá-lo em uma agência da Caixa e observar as datas de pagamento.



Fonte: Assessoria da 4ª CIPM (Ministério da Justiça)
Foto: PRONASCI

28 dezembro 2010

Governo Federal dá pontapé inicial rumo à modernização das instituições militares estaduais

Uma portaria conjunta do Ministério da Justiça e da Secretaria Nacional dos Direitos Humanos, publicada recentemente em DOU, com a finalidade de extinguir a "lei da mordaça" contra nós, militares dos Estados, colocará fim às arbitrariedades cometidas pelos senhores-feudais das polícias militares e corpo de bombeiros. É o fim dos regulamentos anti-democráticos ainda em vigor, já que o texto decreta que as Instituições Militares Estaduais deverão adequar-se à atual realidade do Estado Democrático de Direito, vigente em nossa Carta Magna, desde 1988. 

E é criando na legislação a oportunidade em que as mudanças começarão a tomar forma, já que através do texto legal, poderemos utilizar mais esta ferramenta, acionando o Judiciário em caso de uma possível arbitrariedade de algum superior hierárquico utilizar de seu arcaico regulamento para punições privativas de liberdade sem a ampla defesa e o contraditórios garantidos na Carta Maior, pondo fim a arrogância de pessoas que não estudaram, mas se acham superiores.

Abaixo transcrevo a Portaria, com várias garantias expostas, para que todos os profissionais de segurança pública copiem, colem, imprimam e de preferência, DECOREM, pois será a nossa ferramenta de defesa inseparável e diuturna.

E não deixem que te digam que não tem força de lei e patati-patatá, pois o texto foi publicado em Diário Oficial da União e, portanto, tem força normativa Federal. Logo, está acima dos regulamentos internos das instituições estaduais, que foram editados através de decretos estaduais não recepcionados pela CRFB/88. Uma pena... E logo, logo virá uma Lei Ordinária Federal. E aí senhores... Bem, será a nossa Carta de Alforria....

Segue a Portaria...

PORTARIA INTERMINISTERIAL SEDH/MJ Nº 2, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010

Estabelece as Diretrizes Nacionais de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos dos Profissionais de Segurança Pública.

O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA e o MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso das atribuições que lhes conferem os incisos I e II, do parágrafo único, do art. 87, da Constituição Federal de 1988, resolvem:

Art. 1º Ficam estabelecidas as Diretrizes Nacionais de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos dos Profissionais de Segurança Pública, na forma do Anexo desta Portaria.

Art. 2º A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e o Ministério da Justiça estabelecerão mecanismos para estimular e monitorar iniciativas que visem à implementação de ações para efetivação destas diretrizes em todas as unidades federadas, respeitada a repartição de competências prevista no art. 144 da Constituição Federal de 1988.

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

PAULO DE TARSO VANNUCHI 
Ministro de Estado Chefe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República
LUIZ PAULO TELES FERREIRA BARRETO
Ministro de Estado da Justiça

ANEXO
DIREITOS CONSTITUCIONAIS E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ
1) Adequar as leis e regulamentos disciplinares que versam sobre direitos e deveres dos profissionais de segurança pública à Constituição Federal de 1988.
2) Valorizar a participação das instituições e dos profissionais de segurança pública nos processos democráticos de debate, divulgação, estudo, reflexão e formulação das políticas públicas relacionadas com a área, tais como conferências, conselhos, seminários, pesquisas, encontros e fóruns temáticos.
3) Assegurar o exercício do direito de opinião e a liberdade de expressão dos profissionais de segurança pública, especialmente por meio da Internet, blogs, sites e fóruns de discussão, à luz da Constituição Federal de 1988.
4) Garantir escalas de trabalho que contemplem o exercício do direito de voto por todos os profissionais de segurança pública.

VALORIZAÇÃO DA VIDA
5) Proporcionar equipamentos de proteção individual e coletiva aos profissionais de segurança pública, em quantidade e qualidade adequadas, garantindo sua reposição permanente, considerados o desgaste e prazos de validade.
6) Assegurar que os equipamentos de proteção individual contemplem as diferenças de gênero e de compleição física.
7) Garantir aos profissionais de segurança pública instrução e treinamento continuado quanto ao uso correto dos equipamentos de proteção individual.
8) Zelar pela adequação, manutenção e permanente renovação de todos os veículos utilizados no exercício profissional, bem como assegurar instalações dignas em todas as instituições, com ênfase para as condições de segurança, higiene, saúde e ambiente de trabalho.
9) Considerar, no repasse de verbas federais aos entes federados, a efetiva disponibilização de equipamentos de proteção individual aos profissionais de segurança pública.

DIREITO À DIVERSIDADE
10) Adotar orientações, medidas e práticas concretas voltadas à prevenção, identificação e enfrentamento do racismo nas instituições de segurança pública, combatendo qualquer modalidade de preconceito.
11) Garantir respeito integral aos direitos constitucionais das profissionais de segurança pública femininas, considerando as especificidades relativas à gestação e à amamentação, bem como as exigências permanentes de cuidado com filhos crianças e adolescentes, assegurando a elas instalações físicas e equipamentos individuais específicos sempre que necessário.
12) Proporcionar espaços e oportunidades nas instituições de segurança pública para organização de eventos de integração familiar entre todos os profissionais, com ênfase em atividades recreativas, esportivas e culturais voltadas a crianças, adolescentes e jovens.
13) Fortalecer e disseminar nas instituições a cultura de nãodiscriminação e de pleno respeito à liberdade de orientação sexual do profissional de segurança pública, com ênfase no combate à homofobia.
14) Aproveitar o conhecimento e a vivência dos profissionais de segurança pública idosos, estimulando a criação de espaços institucionais para transmissão de experiências, bem como a formação de equipes de trabalho composta por servidores de diferentes faixas etárias para exercitar a integração inter-geracional.
15) Estabelecer práticas e serviços internos que contemplem a preparação do profissional de segurança pública para o período de aposentadoria, estimulando o prosseguimento em atividades de participação cidadã após a fase de serviço ativo.
16) Implementar os paradigmas de acessibilidade e empregabilidade das pessoas com deficiência em instalações e equipamentos do sistema de segurança pública, assegurando a reserva constitucional de vagas nos concursos públicos.

SAÚDE
17) Oferecer ao profissional de segurança pública e a seus familiares, serviços permanentes e de boa qualidade para acompanhamento e tratamento de saúde.
18) Assegurar o acesso dos profissionais do sistema de segurança pública ao atendimento independente e especializado em saúde mental.
19) Desenvolver programas de acompanhamento e tratamento destinados aos profissionais de segurança pública envolvidos em ações com resultado letal ou alto nível de estresse.
20) Implementar políticas de prevenção, apoio e tratamento do alcoolismo, tabagismo ou outras formas de drogadição e dependência química entre profissionais de segurança pública.
21) Desenvolver programas de prevenção ao suicídio, disponibilizando atendimento psiquiátrico, núcleos terapêuticos de apoio e divulgação de informações sobre o assunto.
22) Criar núcleos terapêuticos de apoio voltados ao enfrentamento da depressão, estresse e outras alterações psíquicas.
23) Possibilitar acesso a exames clínicos e laboratoriais periódicos para identificação dos fatores mais comuns de risco à saúde.
24) Prevenir as conseqüências do uso continuado de equipamentos de proteção individual e outras doenças profissionais ocasionadas por esforço repetitivo, por meio de acompanhamento médico especializado.
25) Estimular a prática regular de exercícios físicos, garantindo a adoção de mecanismos que permitam o cômputo de horas de atividade física como parte da jornada semanal de trabalho.
26) Elaborar cartilhas voltadas à reeducação alimentar como forma de diminuição de condições de risco à saúde e como fator de bem-estar profissional e auto-estima.

REABILITAÇÃO E REINTEGRAÇÃO
27) Promover a reabilitação dos profissionais de segurança pública que adquiram lesões, traumas, deficiências ou doenças ocupacionais em decorrência do exercício de suas atividades.
28) Consolidar, como valor institucional, a importância da readaptação e da reintegração dos profissionais de segurança pública ao trabalho em casos de lesões, traumas, deficiências ou doenças ocupacionais adquiridos em decorrência do exercício de suas atividades.
29) Viabilizar mecanismos de readaptação dos profissionais de segurança pública e deslocamento para novas funções ou postos de trabalho como alternativa ao afastamento definitivo e à inatividade em decorrência de acidente de trabalho, ferimentos ou seqüelas.

DIGNIDADE E SEGURANÇA NO TRABALHO
30) Manter política abrangente de prevenção de acidentes e ferimentos, incluindo a padronização de métodos e rotinas, atividades de atualização e capacitação, bem como a constituição de comissão especializada para coordenar esse trabalho.
31) Garantir aos profissionais de segurança pública acesso ágil e permanente a toda informação necessária para o correto desempenho de suas funções, especialmente no tocante à legislação a ser observada.
32) Erradicar todas as formas de punição envolvendo maus tratos, tratamento cruel, desumano ou degradante contra os profissionais de segurança pública, tanto no cotidiano funcional como em atividades de formação e treinamento.
33) Combater o assédio sexual e moral nas instituições, veiculando campanhas internas de educação e garantindo canais para o recebimento e apuração de denúncias.
34) Garantir que todos os atos decisórios de superiores hierárquicos dispondo sobre punições, escalas, lotação e transferências sejam devidamente motivados e fundamentados.
35) Assegurar a regulamentação da jornada de trabalho dos profissionais de segurança pública, garantindo o exercício do direito à convivência familiar e comunitária.

SEGUROS E AUXÍLIOS
36) Apoiar projetos de leis que instituam seguro especial aos profissionais de segurança pública, para casos de acidentes e traumas incapacitantes ou morte em serviço.
37) Organizar serviços de apoio, orientação psicológica e assistência social às famílias de profissionais de segurança pública para casos de morte em serviço.
38) Estimular a instituição de auxílio-funeral destinado às famílias de profissionais de segurança pública ativos e inativos.

ASSISTÊNCIA JURÍDICA
39) Firmar parcerias com Defensorias Públicas, serviços de atendimento jurídico de faculdades de Direito, núcleos de advocacia pro bono e outras instâncias de advocacia gratuita para assessoramento e defesa dos profissionais de segurança pública, em casos decorrentes do exercício profissional.
40) Proporcionar assistência jurídica para fins de recebimento de seguro, pensão, auxílio ou outro direito de familiares, em caso de morte do profissional de segurança pública.

HABITAÇÃO
41) Garantir a implementação e a divulgação de políticas e planos de habitação voltados aos profissionais de segurança pública, com a concessão de créditos e financiamentos diferenciados.

CULTURA E LAZER
42) Conceber programas e parcerias que estimulem o acesso à cultura pelos profissionais de segurança pública e suas famílias, mediante vales para desconto ou ingresso gratuito em cinemas, teatros, museus e outras atividades, e que garantam o incentivo à produção cultural própria.
43) Promover e estimular a realização de atividades culturais e esportivas nas instalações físicas de academias de polícia, quartéis e outros prédios das corporações, em finais de semana ou outros horários de disponibilidade de espaços e equipamentos.
44) Estimular a realização de atividades culturais e esportivas desenvolvidas por associações, sindicatos e clubes dos profissionais de segurança pública.

EDUCAÇÃO
45) Estimular os profissionais de segurança pública a frequentar programas de formação continuada, estabelecendo como objetivo de longo prazo a universalização da graduação universitária.
46) Promover a adequação dos currículos das academias à Matriz Curricular Nacional, assegurando a inclusão de disciplinas voltadas ao ensino e à compreensão do sistema e da política nacional de segurança pública e dos Direitos Humanos.
47) Promover nas instituições de segurança pública uma cultura que valorize o aprimoramento profissional constante de seus servidores também em outras áreas do conhecimento, distintas da segurança pública.
48) Estimular iniciativas voltadas ao aperfeiçoamento profissional e à formação continuada dos profissionais de segurança pública, como o projeto de ensino a distância do governo federal e a Rede Nacional de Altos Estudos em Segurança Pública (Renaesp).
49) Assegurar o aperfeiçoamento profissional e a formação continuada como direitos do profissional de segurança pública.

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTOS
50) Assegurar a produção e divulgação regular de dados e números envolvendo mortes, lesões e doenças graves sofridas por profissionais de segurança pública no exercício ou em decorrência da profissão.
51) Utilizar os dados sobre os processos disciplinares e administrativos movidos em face de profissionais de segurança pública para identificar vulnerabilidades dos treinamentos e inadequações na gestão de recursos humanos.
52) Aprofundar e sistematizar os conhecimentos sobre diagnose e prevenção de doenças ocupacionais entre profissionais de segurança pública.
53) Identificar locais com condições de trabalho especialmente perigosas ou insalubres, visando à prevenção e redução de danos e de riscos à vida e à saúde dos profissionais de segurança pública.
54) Estimular parcerias entre universidades e instituições de segurança pública para diagnóstico e elaboração de projetos voltados à melhoria das condições de trabalho dos profissionais de segurança pública.
55) Realizar estudos e pesquisas com a participação de profissionais de segurança pública sobre suas condições de trabalho e a eficácia dos programas e serviços a eles disponibilizados por suas instituições.

ESTRUTURAS E EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS
56) Constituir núcleos, divisões e unidades especializadas em Direitos Humanos nas academias e na estrutura regular das instituições de segurança pública, incluindo entre suas tarefas a elaboração de livros, cartilhas e outras publicações que divulguem dados e conhecimentos sobre o tema.
57) Promover a multiplicação de cursos avançados de Direitos Humanos nas instituições, que contemplem o ensino de matérias práticas e teóricas e adotem o Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos como referência.
58) Atualizar permanentemente o ensino de Direitos Humanos nas academias, reforçando nos cursos a compreensão de que os profissionais de segurança pública também são titulares de Direitos Humanos, devem agir como defensores e promotores desses direitos e precisam ser vistos desta forma pela comunidade.
59) Direcionar as atividades de formação no sentido de consolidar a compreensão de que a atuação do profissional de segurança pública orientada por padrões internacionais de respeito aos Direitos Humanos não dificulta, nem enfraquece a atividade das instituições de segurança pública, mas confere-lhes credibilidade, respeito social e eficiência superior.

VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL
60) Contribuir para a implementação de planos voltados à valorização profissional e social dos profissionais de segurança pública, assegurado o respeito a critérios básicos de dignidade salarial.
61) Multiplicar iniciativas para promoção da saúde e da qualidade de vida dos profissionais de segurança pública.
62) Apoiar o desenvolvimento, a regulamentação e o aperfeiçoamento dos programas de atenção biopsicossocial já existentes.
63) Profissionalizar a gestão das instituições de segurança pública, fortalecendo uma cultura gerencial enfocada na necessidade de elaborar diagnósticos, planejar, definir metas explícitas e monitorar seu cumprimento.
64) Ampliar a formação técnica específica para gestores da área de segurança pública.
65) Veicular campanhas de valorização profissional voltadas ao fortalecimento da imagem institucional dos profissionais de segurança pública.
66) Definir e monitorar indicadores de satisfação e de realização profissional dos profissionais de segurança pública.
67) Estimular a participação dos profissionais de segurança pública na elaboração de todas as políticas e programas que os envolvam.
DOU 16/12/2010 

15 dezembro 2010

PM prende 1,2 Kilos de Droga em Borba

Borba-AM – Uma guarnição da Polícia Militar com apoio da 70ª DP, no último dia 10 de Dezembro de 2010, por volta das 12h:40min recebeu uma denúncia anônima relatando que alguns cidadãos infratores estavam na frente de uma residência no Bairro do Recreio, mas precisamente na Trav. Antônio de Queiroz e que os mesmo haviam recebido uma mala de cor azul a qual segundo o informante continha em seu interior bastante substância entorpecente.

A guarnição deslocou-se até o local e quando aproximavam-se dos infratores, os mesmos correram e se abrigaram em outras residências deixando para traz a referida mala, a qual foi conduzida até o quartel da PM e feita uma revista, sendo encontrado pasta base de cocaína em sacos plásticos transparente pesando aproximadamente 1,2 kg, referida droga foi apresentada na 70ª DP ao Delegado, conforme auto de exibição e apreensão.

No dia 12 de dezembro de 2010, por volta das 19h:30min novamente o permanência da guarda recebeu uma ligação anônima informando que o dono da droga apreendida no dia anterior havia formado um time de futebol society e colocou no campeonato do bairro com nome de “COME BIA” em retaliação à apreensão da droga no dia acima citado tendo ainda feito uma bandeira com o desenho folha de maconha com a frase “COME BIA” e colocou no alambrado da quadra de esporte fazendo APOLOGIA AS DROGAS.

Em seguida a bandeira foi recolhida pela PM e todos  os jogadores do time foram detidos e conduzidos para o 70ª DP em seguida notificados a comparecerem no dia seguinte com o Delegado.
                                                                        
Fonte e Foto: Assessoria da 4ª CIPM

13 dezembro 2010

Casal de Traficantes é Flagrado com Entorpecentes

Polícia Militar - A guarnição de serviço recebeu uma denúncia via 190 (emergência),  por volta das 21h30min do dia 11 de dezembro de 2010, delatando que na residência do casal José Maria dos Santos, 38 anos vulgo “Zé da Faca” e Ana Paula Santana da Silva, 22 anos vulgo “Bucho de Lama”, situada no bairro Nova Humaitá, estava em pleno funcionamento uma boca de fumo e que todas as noites carros e motos paravam no local em busca de droga. 

Essa movimentação estava tirando o sossego da vizinhança. Feito campana no local, guarnição de serviço presenciou quando a mulher, Ana Paula foi até um dos cômodos da casa buscar um papelotes para um cliente. A mesma foi surpreendida pela guarnição de serviço que encontrou o restante da drogadentro de uma máquina de lavar, que são o seguinte: 05 pacotes de entorpecentes pesando aproximadamente 20g cada, (cocaína e crack), 13 trouxinhas de cocaína, a quantia de R$ 223,00, 01 máquina de lavar, 02 televisores. 01 Aparelho de DVD, 01 Máquina Digital, 01 Celular, 01 Cartucho Cal 16, produtos provenientes de sua mercancia.

Zé da  Faca tentou fugir, mas foi capturado na casa de sua irmã, próximo ao local. O casal assumiu ser dono da droga e declarou que está nesse ramo há vários anos, uma vez que na cidade não tem emprego, por isso resolveu levar a vida dessa maneira. Disse também que na ausência de sua esposa também fazia a mercancia. Zé da Faca, já responde vários processos em Humaitá, mas, continuava solto cometendo o mesmo crime. 

A ousadia dele é tão grande que ele vendia o entorpecente na presença de suas filhas menores e gostava de ameaçar as pessoas que lhe denunciavam e disse que "possui influência e até o natal já estaria solto".

 Fonte: Assessoria da 4ª CIPM

06 dezembro 2010

Edital de concurso para PM sai até dezembro, informa governo

Em matéria publicada no portal do jornal D24AM de Manaus, salienta que o governador Omar Aziz (PMN) disse nesta sexta (12/11), durante visita à direção da Editora Ana Cássia, que “até o final deste mês ou início de dezembro” o governo do Estado lançará o edital de concurso público da Polícia Militar para 2.500 vagas. O edital foi encomendado ao Comando da Polícia Militar, com prazo para ser concluído até o final de novembro.

O governador, acompanhado do ex-ministro da Integração Nacional, Egberto Baptista, e do publicitário Paulo Alves, almoçou com o presidente da Editora Ana Cássia, Cassiano Anunciação, e os vice-presidentes Francisco Cirilo Anunciação Neto e Ciro Batará Anunciação. A Ana Cássia edita os jornais DIÁRIO DO AMAZONAS e DEZ Minutos e o Portal D24AM.

O comandante da PM, Coronel Dan Câmara, informou que na próxima terça-feira (16/11) terá uma audiência com o governador para a assinatura de documentos e o acerto de detalhes do concurso. “Na verdade, o edital está praticamente pronto e precisamos da liberação do governador para fazer os ajustes necessários. Mas acredito que até o final deste mês ele será publicado”, disse. Uma das entidades cotadas para realizar o concurso é a Fundação Getúlio Vargas, segundo o coronel.

Dan Câmara também disse as 2.500 vagas (300 das quais para oficiais) podem ser ampliadas para até 2.700 para se adequar à lei que prevê um efetivo de 10 mil policiais militares no Estado. “Hoje, o nosso efetivo é de 7,4 mil e vamos tentar adequar o concurso para que a exigência legal de 10 mil seja cumprida”. Essa adequação depende de autorização do governador.

Omar Aziz disse que o concurso é necessário para a implementação do programa ‘Ronda nos Bairros’, apresentado durante a campanha eleitoral como proposta de combate à violência na cidade de Manaus. “Nós vamos implementar esse programa em  toda a Manaus em 2011 e depois partiremos para o interior do Estado. Serão 190 áreas em Manaus que já estamos mapeando”, disse.

Paralelo ao concurso, o governador disse que vai providenciar as licitações para a compra de viaturas e equipamentos para o programa. “Nós vamos ter uma viatura e duas motos em cada área e vamos providenciar essa estrutura, junto com o concurso”, disse.

Omar também disse que os novos policiais civis e delegados selecionados em curso público este ano serão nomeados em janeiro de 2011. As nomeações não serão feitas em 2010 porque a lei eleitoral veda o contrato de novos servidores em ano de eleição, mesmo que aprovados em concurso público. “Com esses policiais civis e mais os militares que entrarão por concurso, daremos um grande reforço à segurança pública”, disse o governador.

Fonte e Foto: D24AM

02 dezembro 2010

Nova Incineração de Drogas em Humaitá-AM

Humaitá-AM. Na tarde do dia 30/11/2010 (terça-feira), por volta das 17h00min os representantes do Exército Brasileiro, da Polícia Militar do Amazonas, do Poder Judiciário, da Polícia Civil e da Imprensa, presenciaram o incineração de mais de 95 quilos de entorpecentes apreendidos em Humaitá-AM pela ação profícua da PM e da PC.

A droga foi encontrada em poder do traficante
Francisco Emanuel da Rocha Souza, 27 anos, na altura do Km-85 da BR 230 Transamazônica no sentido Humaitá/Apuí. A Policia Civil de posse de novas informações apreendeu outra grande quantidade de droga nos dias seguintes  da operação, onde a droga estava enterrada.

O Capitão PM J. Antônio - Comandante da 4ª CIPM elogia seus comandados, dizendo "que em operação eficiente provaram mais uma vez que a PM é uma instituição séria e honrada, merecendo todo o respeito da sociedade...”, na tentativa de curar este câncer social.

Segundo o Comandante, a realização deste ato é parte da ação contínua e preventiva, visando o combate ao tráfico e ao crime organizado, que tende a aumentar durante os períodos festivos e ainda acrescenta que o alto Comando da PMAM está implantando um plano de revitalização da Segurança Pública no do Amazonas, e a PM tem sido efetiva e eficiente nas ações policiais, levando ao sucesso operações de força policial no interior.

O comandante ainda informa à população que deve utilizar o serviço do Disk Denúncia em Humaitá-AM que funciona 24 horas através do número 190 (emergência). Mais uma vez a PM mostra sua capacidade de atuação em apreensões como estas que tira das ruas grande quantidade de entorpecentes.

Fonte e Foto: Assessoria da 4ª CIPM
Copyright © 2014 Blog do Leão