11 janeiro 2011

O Policial é um Ser Humano Normal

Uma máxima deve prevalecer entre policiais e a sociedade: “Servir e proteger, preservando a ordem pública, onde segurança pública é dever do estado, direito e responsabilidade de todos”. Refiro-me a atos isolados (erros durante  ocorrências) cometido por alguns policiais, fato este que pode gerar descontentamentos e desconfortos entre a Polícia e a sociedade.

Pelo constante contato com armas de fogo, as reações a uma provocação ou espezinhamento podem ser drásticas. Por mais preparado e confiável que seja o policial, ele continua a ser uma pessoa, passível de ímpetos sentimentais.

Partilhar da vida policial é algo precioso, pois autoestima não tem preço, não servimos por dinheiro, o alvo é a glória, recompensa maior que os bens materiais. Quando as ações são motivadas pela emoção e pela dor, estas por sua vez são desenfreadas, e no calor da dor de perder um colega, põe em risco a vida dos policiais e da própria população.

Todos os dias no estado do Amazonas, policiais arriscam suas vidas no cumprimento de seu dever Constitucional, com dignidade e coragem, recebendo salários desproporcionais as ameaças que enfrentam e a importância de sua função.

Casos sucessivos de corrupção e brutalidade feriram a confiança da sociedade na Polícia, mesmo com dedicação e as inúmeras ocorrências que atendemos, não é o suficiente para resgatar a credibilidade, somos olhados com desconfiança desde a época da ditadura militar.

“O policial fardado, nas ruas, é o Estado materializado prestando serviço junto à sociedade; investir nele é investir na sociedade e no próprio Estado” – (Giraldi)

Enquanto o Poder Público, o Judiciário, o Ministério Público, a Polícia Militar e Civil, não trabalharem em conjunto e integrados com a comunidade e suas associações, com as igrejas Católica e Protestante, Religiões Afro, iniciativa privada etc, estaremos fadados a continuar neste mesmo ciclo vicioso: mais policiais irão morrer, mais bandidos serão executados, mais cidadãos de bem serão assassinados de forma estúpida e não chegaremos nunca a lugar algum.

Aos colegas fica a mensagem: A mesma sociedade que, no fundo espera que a Polícia “bote pra quebrar”, como bem dizem os especialistas, é a mesma que vai te recriminar e te apontar, a mesma que irá julgá-lo e condená-lo no Tribunal do Júri. Lembrem-se: a violência não é um problema seu ou meu, mas do Poder Público Instituído e de toda Sociedade.

Fonte: Assessoria da 4ª CIPM
Foto: Blog Abordagem Policial