16 julho 2012

Campanha Eleições 2012: Polícia vota em Polícia

Por Danillo Ferreira


O site Abordagem Policial tem se firmado nos últimos anos como um dos principais meios de discussão de temas policiais no Brasil. Arriscamos dizer que somos o principal blog brasileiro que produz conteúdo próprio voltado para a área de polícia e segurança pública, condição que nos traz responsabilidades, possibilidades e potenciais. Considerando isto, e a proximidade do pleito eleitoral deste ano, resolvemos criar algo inédito no país: uma campanha nacional convocando os policiais brasileiros a se unirem democraticamente através do voto, elegendo representantes da categoria para os cargos de prefeito e vereador em seus municípios:
Elencamos justificativas e motivações para a campanha no endereço www.abordagempolicial.com/eleicoes2012, onde cada candidato policial brasileiro poderá realizar um cadastro, visando a publicação de um Catálogo Nacional de Candidatos Policiais, que publicaremos aqui no blog em setembro, orientando os policiais eleitores a escolher os candidatos policiais do seu município.
Desde já pedimos que todos os nossos leitores divulguem a campanha, cadastrem seus candidatos, e indiquem a outros policiais a iniciativa. Se os policiais não se organizarem enquanto categoria, dificilmente serão observados em seus direitos e garantias.



As eleições para prefeito e vereador se aproximam. Em todos os municípios, alianças político-partidárias foram formuladas, apoios foram anunciados, candidatos estão sendo escolhidos pelos eleitores – através de critérios variados. Para nós, policiais, fica a pergunta: o que podemos fazer para tirar o máximo de proveito deste momento tão importante para a democracia?
Muitos dirão que as atuais eleições só interessam, enquanto categoria, aos guardas municipais, única força que está diretamente ligada aos municípios no Brasil. Ledo engano. Veja 4 motivos para você, policial, votar em um policial:
1. É o governo municipal quem decide por benefícios diretos aos policiais – descontos ou gratuitade de transporte público, acesso a eventos e outros benefícios sociais. Além disso, não é raro que as prefeituras se relacionem diretamente com as polícias, quando estas atuam em ocasiões sob gerência do poder público municipal. Qualificar este relacionamento é muito importante;
2. O município pode, e deve, fazer muito pela segurança pública. Além das guardas municipais, que na prática atuam em forma de policiamento, ações sociais de prevenção à violência competem às prefeituras – da educação básica ao centro de recuperação de dependentes químicos. É fácil reclamar que “apenas a polícia é cobrada” pelos problemas de segurança pública. Eleger representantes (policiais) que colaborem com o trabalho policial é uma boa forma de reduzir este fardo;
3. Eleger policiais prefeitos ou vereadores é uma boa forma de impulsionar estes representanes para as eleições de 2014, em que se escolherão os deputados estaduais, federais, governadores e senadores, além do Presidente da República. Policiais estaduais e federais que votam em policiais nestas eleições podem aferir o desempenho dos seus candidatos e fortalecê-los para o pleito de 2014;
4. Todos os dias de sessão da câmara de vereadores o policial representante terá a tribuna da casa para falar por quem lhe representa. Não é muito difícil que a grande mídia dê repercussão ao discurso. No caso do prefeito, conceder uma entrevista que tenha visibilidade é ainda mais fácil. Nada mal para uma categoria que clama por voz.

Qual é a nossa força?

Tomando por base alguns levantamentos feitos no país, o total de profissionais de segurança pública no Brasil fica entre 650 e 700 mil. Se cada policial possui uma família com mais quatro integrantes votantes – o que inclui outros tipos de relacionamento – temos quase dois milhões e meio de votos. Isto é mais do que os votos adquiridos pelo atual prefeito de São Paulo-SP, a maior cidade do Brasil. O dobro dos votos do adquiridos pelo atual prefeito do Rio de Janeiro-RJ, e mais de quatro vezes a quantidade de votos que recebeu o atual prefeito de Belo Horizonte.
Vale a pena fazer um levantamento em seu município, e analisar quantos votos podem ser conseguidos com a união dos seguintes profissionais:
- Policiais Militares;
- Bombeiros Militares;
- Policiais Civis;
- Guardas Municipais;
- Agentes de Trânsito;
- Agentes Penitenciários;
- Policiais Federais;
- Policiais Rodoviários Federais.

Em quem votar?

Para facilitar a escolha dos candidatos da categoria, o Abordagem Policial tomou a iniciativa de criar um Cadastro Nacional de Policiais Candidatos, constando as informações referentes a todos os candidatos – número eleitoral, corporação de que faz parte, principais propostas etc – que será publicado aqui no blog no dia 7 de setembro, quase um mês antes do pleito.
Se você é um candidato, ou eleitor que já escolheu o policial em quem vai votar, faça o cadastro abaixo, ou mande um email para eleicoespoliciais@gmail.com:
É importante frisar que o catálogo não possui caráter formal, de modo que o Abordagem Policial não é obrigado a publicar dados de qualquer candidato, policial ou não. Continue acompanhando as postagens de nosso blog, com matérias especiais sobre as Eleições 2012 e discussões sobre propostas, perfis de candidatos etc. Sem mobilização política, dificilmente alcançaremos nossos objetivos!
Contamos com vocês!
Fonte e Foto: Abordagem Policial