10 setembro 2012

SEGURANÇA PÚBLICA NA VILA RENASCER OU AÇUÃNÓPOLIS – SUL DE CANUTAMA-AM


Em meados do mês de julho de 2012 foi implantado na comunidade denominada “Vila Renascer” ou “Vila Açuãnópolis”– localizada na BR 319, km-130, sentido Humaitá-AM/Porto Velho-RO, pertencente ao município de Canutama-AM, um Posto Policial Militar composto por 1 (um) sargento, 1 (um) cabo e 2 (dois) soldados da PM do Amazonas, os quais com apoio de uma viatura policial modelo RANGER 4x4, prefixo 22-1852, trabalham diariamente com a finalidade de preservar a ordem pública naquela comunidade, ramais e vicinais adjacentes. 

Até então a localidade era tida como um vilarejo sem paz e com alto índice de homicídios e outros crimes. O último episódio ocorreu em abril de 2012 com o assassinato do oficial de justiça e fazendeiro BALTAZAR ROSSATO, mas com a dedicação das policias militares dos Estados do  Amazonas e Rondônia, em cumprimento ao mandado de prisão, o acusado  NELSON DE SOUZA BARROS, temido por todos os moradores daquela região, encontra-se preso na cidade de Canutama, aguardando ser julgado pelo juízo da Comarca. 

Vale ressaltar que “onde há prevenção a segurança existe e prevalece”, nesse sentido, os moradores da Vila Renascer ou Açuãnópolis e adjacências afirmam: “antigos habitantes que, por insegurança e ameaças, abandonaram as terras e foram embora, agora estão voltando em razão da tranquilidade e paz que impera na região”. 

(fonte: 4ª CIPM)

PAZ NO CAMPO

O juiz Mateus Rios Guedes da Comarca de Canutama, a 619km de Manaus, requereu no último dia 22 de agosto a prisão preventiva de dois fazendeiros do Amazonas e 14 policiais militares de Rondônia. A decisão judicial veio após o Ministério Público do município formalizar uma denúncia, no dia 16 de agosto, solicitando a prisão preventiva dos 16 suspeitos de envolvimento em ameaça, constrangimento ilegal, pistolagem e formação de quadrilha contra agricultores da região sul de Canutama.

A denúncia formulada pelo Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE/AM) foi originada de um inquérito policial instaurado pela Polícia Civil de Rondônia para apurar a atuação de pistoleiros e policiais ambientais no município de Candeias do Jamari, localizado no Norte do Estado. A polícia constatou que eles haviam sido possivelmente contratados por proprietários da Fazenda Presidente Prudente, no município de Canutama, local do conflito entre agricultores e fazendeiros.

A conclusão das investigações foi encaminhada pela Corregedoria-Geral da Polícia Militar de Rondônia à Polícia Civil do município de Lábrea, que haveria então repassado o resultado do inquérito ao Ministério Público em Canutama, no dia 24 de maio de 2012.

O ouvidor agrário nacional e presidente da Comissão Nacional de Combate à Violência no Campo, desembargador Gercino José da Silva Filho, solicitou informações da Promotoria de Canutama sobre o inquérito, e de acordo com o promotor de Justiça, Gerson Coelho, a Ouvidoria Agrária Nacional dará apoio ao processo judicial no município de Canutama, principalmente no deslocamento das vítimas e testemunhas para participarem da audiência de instrução e do julgamento na Comarca. 

(fonte: jornal acrítica, G1).