08 fevereiro 2014

“Está insatisfeito? Pede pra sair”, uma falácia.

A falácia do "pede pra sair"
O campo argumentativo da Segurança Pública brasileira vive tão florido de incompreensões, contradições e paixões que certas obviedades precisam ser permanentemente repetidas, repisadas e afirmadas – por mais tolo e vão que pareça fazê-lo. Neste pequeno texto o óbvio que queremos expor é o seguinte: qualquer policial pode estar insatisfeito com a estrutura organizacional a que está submetido e por isso critica-la, reivindicando mudanças e reformas.
É mesquinho e pouquíssimo democrático o entendimento de que “quem fez o concurso para uma corporação e aceitou o que estava estabelecido no edital não pode reclamar do que faz parte da corporação”. Segundo os defensores dessa paixão corporativista “se está insatisfeito, peça para sair”.
“REIVINDICAR MUDANÇAS NÃO SIGNIFICA PRATICAR ILEGALIDADE. DISCORDAR DE UMA ESTRUTURA NÃO SIGNIFICA QUEBRAR O PACTO LEGALMENTE ASSUMIDO ENQUANTO SERVIDOR PÚBLICO”
Ou seja: a corporação paira em uma atmosfera intocável, superior aos próprios objetivos para os quais foi criada. Tal qual um robô descontrolado, engole seus criadores – o próprio homem – e determina a eles o silêncio sobre suas engrenagens. A equação é invertida: o homem sobrevive para a corporação, e não a corporação é instrumento do homem para alcançar certos objetivos.
Reivindicar mudanças não significa praticar ilegalidade. Discordar de uma estrutura não significa quebrar o pacto legalmente assumido enquanto servidor público. Pensar e reivindicar soluções parece ser, aliás, mais genuinamente servir ao público do que fugir ao debate lúcido rumo a práticas e arquiteturas melhores.
É preciso reconhecer que há muita gente honesta agarrada ao sonho de que tudo o que foi construído até aqui seja suficiente para dar conta do presente e do futuro. Mas há também aqui e ali alguma desonestidade, que tem fome dos privilégios que sustentam e que perspectivamente querem sustentar. Aos primeiros, o debate fará muito bem. Aos segundos, nada os convencerá a não ser força e estratégia política.
Fonte e Foto: Abordagem Policial