27 novembro 2014

Quem é “informações”?


Segundo informações
Todo policial brasileiro provavelmente já recebeu uma mensagem com a última notícia do momento que inicia com os termos “segundo informações”. Essas duas palavras são usadas para justificar a autoria de alguma narrativa. Por exemplo: “Segundo informações, o policial fulano de tal realizou a prisão de um autor de roubo na rua tal”. Como se “informações” fosse um ser humano, uma fonte legítima e confiável que sustentasse o que está sendo “repassado”.
Em tempos de WhatsApp está cada vez mais difícil lidar com conceitos como segurança da informação, sensação de segurança, credibilidade da informação etc. A quantidade e a rapidez tem ganhado prioridade sobre a qualidade. No contexto policial isso se agrava porque informações sobre ocorrências ou problemas internos às polícias geralmente estão ligadas a direitos individuais ou coletivos, o que possibilita o dano a reputações ou a desnecessárias mudanças de comportamento pautadas no medo.
“NÃO É PEQUENA A POSSIBILIDADE DE APROVEITADORES MANIPULAREM A MANADA DOS DESAVISADOS PARA GARANTIR A PROPAGAÇÃO DE INVERDADES”
Se qualquer organização do mundo atual precisa orientar seus integrantes sobre a forma de lidar com informações, nas polícias isso é condição indispensável para o exercício da profissão. Não é pequena a possibilidade de aproveitadores manipularem a manada dos desavisados para garantir a propagação de inverdades.
Diferentemente do que pensam alguns, esse não é um problema para lidar de maneira disciplinar, mas através de orientação e esclarecimento. Sem ter a ambição de controlar o incontrolável, vale a pena ensinar a tropa a usar os meios de comunicação à sua disposição com inteligência.
Fonte e Foto: Abordagem Policial