05 maio 2015

Governador José Melo Trai a Confiança de Servidores Públicos no Amazonas


O governador do Estado do Amazonas, professor José Melo (PROS), traiu a confiança de seu maior reduto eleitoral, os servidores públicos, os profissionais da segurança pública, educação e saúde, (policiais, professores e funcionários da saúde e seus familiares), quando eleito em 2014 realizou inúmeras promessas e assim que assumiu em 2015, virou as costas mostrando quem realmente é de verdade. 

José Melo viverá um de seus piores pesadelos, pois os servidores públicos irão cobrar e com afinco tudo o que foi prometido, "nós não temos nada haver com a Lei de Responsabilidade Fiscal", diz um dos manifestantes do último dia 28/04/2015, que marcharam até a sede do governo em Manaus, isso é função do administrador do Estado, "jamais aceitaremos que ELE tire receitas da Segurança, Educação e Saúde para tapar buracos em outras despesas".

Três de suas propostas de campanha para o governo do Amazonas nas áreas de Segurança, Educação e Saúde: 

"Reforçar Ronda no Bairro, programa para reduzir criminalidade, equipar delegacias, contratar mais policiais, criar lei do 14º e 15º salário". 

"Aumentar orçamento para 30%, instalar Ceti's em todos os municípios, formar alunos em cursos profissionalizantes e fortalecer a UEA"

"Modernizar rede, interiorizar serviços, financiar atenção básica, ampliar cirurgias e transplante, criar Centro do Câncer no interior"
Melo mal iniciou seu mandato e  já recebeu inúmeras denúncias sobre corrupção ganharam a mídia nacional, envolvendo seu nome em uma investigação da Polícia Federal a respeito de uso de dinheiro da Copa do Mundo para comprar votos nas eleições de outubro de 2014.

José Melo, não quer cumprir a Lei de Carreira dos Praças da PMAM, Lei 4.044 de 09 de Junho de 2014, a qual previam a Promoção de 2.284 Policiais Militares, alegando que o Estado não tem condições orçamentarias, uma vez que para aprová-la o Estado realizou um estudo do impacto financeiro antes e este ano de 2015 já estaria inclusa no orçamento. 

Os policiais militares possuem 03 (três) associações de Praças (ACS, APEAM, ASSPMAM), além de 02 (dois) deputados estaduais Platiny Soares e Cabo Maciel, que ainda tentam negociar com o governo do Amazonas algo que está estipulado em Lei (Promoção dos Praças) e a Data-Base (reajuste inflacionário). 

Além disso existem outras cobranças (pautas) junto ao governo: Código de Ética, Auxilio Moradia do Interior, Auxilio Ticket Alimentação, Lei das Escalas de Serviço (12x24 e 12x72), GTE (Gratificação de Trabalho Extra) para todos que trabalharem em escala extra, Auxilio Fardamento, Porte de Arma de Fogo, etc.  
A população do Amazonas teme se houver paralização de professores, de funcionários da saúde e de segurança pública, pois ficarão a mercê de serviços basilares de uma sociedade em crescimento e sofrerão com o descaso. 

Somos regidos pelos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, mas na verdade somente o Executivo é que manda e desmanda nesse Estado do Amazonas, se o governador bater o pé e disser que assim deverá ser feito, todos baixam a cabeça e obedecem. 

Os aprovados no último Concurso da PMAM/2011 tanto para Soldados quanto para Oficiais, nunca foram chamados, e muitos que entraram na justiça, estão tendo seus pedidos negados, mesmo tendo obtidos pontuações maiores dos que estão cursando (entraram pela janela), por ser parente de fulano e beltrano.

Fonte e Foto: Blog do Leão